Luz ao fundo do túnel!

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

SURPRISE! - You're dead!

Depois de assistir à entrevista ao nosso PM (por muito que me custe é meu também, mesmo não tendo votado nele...) estou com um humor negro do tamanho do mundo.

Decidi desenterrar um CD dos Faith No More - Angel Dust. É impressionante como ouvir uma música tão agressiva nos consegue ajudar a libertar a energia negativa.

O título desta mensagem é também o de uma das músicas do álbum.

Não estou interessado em discutir se Sócrates é corrupto ou não. Apenas a (in)competência dele como PM. E se é mentiroso compulsivo ou apenas o faz por ser um incapaz.

Para aqueles que defendem o Sócrates como pessoa determinada e corajosa digo apenas que necessitam de umas lunetas novas. Que permitam a irrigação do cérebro.

Se por um lado afirma que este país está melhor que os demais parceiros europeus porque entrou mais tarde e saíu mais cedo da recessão técnica, por outro lado não diz que o crescimento previsível nos próximos anos será abaixo dos mesmos. Posso, por isso, deduzir que mente por omissão.

Desconhecimento da realidade económica por um PM é incompetência. Ele está lá para gerir o país. Se não sabe, liberte a cadeira para quem sabe. Como ele acha que é o melhor PM que a história de Portugal já viu podemos deduzir que jamais o fará. É tão incompetente que nem disso se apercebe...

Se conhece a realidade, então é mentiroso por omissão. Porque não diz a verdade ao povo português.

Posso também deduzir que é um covarde. Porque tem medo de admitir que afinal se enganou. Parafraseando o seu MF, enganou-se, não enganou. Seja como for, a escolha fica entre incompetente e mentiroso.

Tentou convencer os mais incultos e desinteressados pelo futuro que estamos no rumo certo. Contra todos os analistas e profissionais da economia. Até alguns que o defendiam vêm hoje admitir o estado actual em que estamos.

Já todos sabemos que os estudos para o TGV são por encomenda. Embora nem por encomenda se consiga provar que irá dar lucro, apenas minimiza-se os prejuízos. Para atirar areia para os olhos.

O aeroporto, onde já trabalhei e tenho a plena consciência que é um local difícil de melhorar, pode sê-lo efectivamente e com um custo muito menor que o novo. E há várias maneiras de se poder alterar alguns constrangimentos que, diga-se de passagem são apenas a certas horas de ponta. Não me irei alongar aqui sobre esse tema. Apenas acrescento que é preciso correr com quem não sabe gerir uma empresa e não fazer um novo edifício para se obter uma melhor gestão.

As barragens, meninas dos olhos de Sócrates na sua incursão por um mundo alternativo, que visam reduzir o déficit, afinal irão produzir apenas 3% das necessidades energéticas do país. Mais areia para os olhos...
Entretanto, vão causar muitos danos no ambiente. Ou seja, fazemos barragens para poluirmos menos a natureza que destruimos ao construir-las. Muito sensato. Nem eu seria capaz de ser tão brilhante. Estou boquiaberto...

Não coloco de parte a nossa necessidade de hospitais e ecolas novas - só quem nunca utilizou estes edifícios poderá afirmar de modo diferente.
Mas será que essa é a nossa prioridade em relação à educação e à saúde? Edifícios novos para serem mal geridos? Tipo aeroporto mas em escala mais pequena. Só que muitos grãozinhos de areia fazem um areal...

O que eu não entendo é porque é as pessoas não estão preocupadas. Porque é que é só uma percentagem menor da população? Será porque o Sócrates é um excelente político (alguma qualidade tem que ter!) mas também um português mentiroso? Já estou naquela fase de pedir a um jornalista que desencante a cédula de nascimento do dito cujo para ver se foi aldrabada... será que ele é mesmo português? E se não, em que universidade tirou o português técnico?

A referência do Miguel Sousa Tavares às mortes ao fim de semanas é sintomático da nossa cultura. Com o mesmo tipo de cultura apetece-me dizer que quero morrer numa 2ª Feira. Ao menos ainda aproveito o fim de semana...


E volto assim ao título da mensagem. Um dia acordamos e

SURPRISE! You're dead!


E que os jogos se iniciem! - diría o Nero.

13 comentários:

  1. Queres saber porque é que o portuguesinho não refila??? Caramba, Nuno, isso nem parece teu! O portuguesinho nunca refila daquilo que deve! Vê este exemplo: ligaram à Sandra, da escola da Catarina, a dizer que ela ainda não tinha pago o mês de Agosto (inteiro, claro)! 1º- a escola só vai estar aberta a partir de 20 de Agosto; 2º- a Catarina só vai andar naquela escola até Julho, visto que vai para a 1ª classe; 3º- mesmo que os pontos anteriores não existissem, era suposto a dita mensalidade ter sido paga em três tranches, com as de Dezembro, Janeiro e Fevereiro... mas só agora é que a secretaria deu pela "falha".
    Quando a Sandra focou os dois primeiros pontos, dizendo que não tinha nada que pagar e que achava uma roubalheira quererem cobrar um mês inteiro quando a escola só está aberta 11 dias, a resposta foi "ainda ninguém se queixou"!!!
    Como vês, se ninguém se queixa quando é tão descaradamente roubado, porque se hão-de queixar de ser enganados pelo Exmo. Sr. Primeiro Ministro, o mais ilustre Engº que este cantinho à beira mar plantado já produziu?!?!?!?!?

    ResponderEliminar
  2. Eu (a Sandra de quem falam) queixo-me! E escrevo no livro de reclamações! E grito e tudo. Pena ser só eu, ou meia-dúzia de pessoas...
    Mr. Nuno tenho que te dar os parabéns pela excelente escolha musical de hoje e no outro dia também com os meus queridos Alice in Chains.

    ResponderEliminar
  3. Obrigado Sandra! Mas que eu tenho bom gosto musical é internacionalmente conhecido!!!

    Apenas uma pequena correcção ao nome do album: The Real Thing!

    ResponderEliminar
  4. Nuno: Dois nomes importantes neste texto Faith no More e Miguel Sousa Tavares!!

    Peço desculpa "meter-me" nesta conversa , onde se fala de pagamentos de mensalidades de Infantario....
    Mas infelizmente a falta de profissionalismo de muitos portuguesinhos é que originam este tipo de revolta(e com razão), mas uma resposta bem fundamentada, satisfaz o cliente, mesmo que discorde agora "nunca ninguem se queixou " é algo que merece ser resolvido com "processo disciplinar"....adiante: Se fosse eu respondia assim: Está no regulamneto que teve acesso no acto de admissão, na ausencia do mesmo , que é possivel, diria "como perecebe, teremos que substiuir a vaga e não é de imediato, sendo que o custo real desta criança a esta instituição foi feito com base no pagamneto mensal a colaboradores e afins...blá, blá, se ainda assim a resposta não fosse satisfatoria....em ultimo caso diria para falar com a Direcção!
    Se me permite Sandra, em caso de dúvida, exija exclarecmento!!! Sempre!!!Ele existe, o mal éstá no conformismo, sem ofensa!

    :)

    ResponderEliminar
  5. Cara Raquel,

    Os Faith No More são, na minha opinião, a melhor banda de grundge/rock alternativo. Superior a bandas como os Pearl Jam e Nine Inch Nails, Alice in Chains e até os muito ouvidos e de certa maneira pais do estilo "Seattle" que são os Red Hot Chilli Peppers. Sou da opinião que o motor foi o Mike Tramp, que nem é o vocalista original. Mas depois de ouvir o projecto Mr Bungle, não tenho dúvidas do que digo. Aceito todo o tipo de correcções uma vez que deixei de ser um ávido musicólogo há cerca de 10 anos e a memória já não é o que era!

    Quanto ao assunto da creche. Eu enrolaria o assunto até ao fim de Julho (supondo que a Catarina já não volta para lá) e depois mandava-os... contactar o meu advogado! Mesmo pagando eles uma avença, resolver esse assunto em Portugal é praticamente impossível. Pelo menos com um custo que lhes compensasse. Em tempo e dinheiro. Sendo a pessoa correcta e não gostando de ser "devedor", meta a Deco e outras instituições que afins no monte e eles desistem rapidamente de importunar.

    Casos como estes são sintomáticos da estupidez de como as escolas se relacionam com os clientes.

    Se a escola tem custos que vai suportar, nomeadamente os subsídios de férias e os ordenados do pessoal de Agosto, o que deve fazer é considerar os custos totais e dividi-los pelas mensalidades durante o período que a criança irá frequentar. Desse modo ninguém se sentirá injustiçado. Como preferem usar subterfúgios para se tornarem concorrencionais (sem ser pela competência) sujeitam-se a este tipo de situação.

    Outro exemplo são as empresas de limpeza de condomínio. Quando pedi alguns orçamentos, as propostas vinham todas com o assumir da responsabilidade da Segurança Social por parte da empresa a contratar. Como se a responsabilidade de pagar seja o que for às pessoas que iriam limpar fosse alguma vez da responsabilidade do condomínio. Mandei todas para trás e pedi que refizessem as propostas que mencionassem o serviço, apenas o serviço, que lhes havia encomendado. Não queria saber quantas horas eles levavam, não queria saber o que pagavam aos funcionários. Acreditem que houve empresas que se recusaram a fazê-lo porque tinham aquelas minutas de proposta e porque era assim com todos a quem faziam propostas. Nunca ninguém se tinha queixado anteriormente Deixaram de ganhar um cliente.

    Outro exemplo com a empresa que já não nos presta serviços:

    A senhora que cá vinha tinha problemas de assiduidade. Ou vinha em dias não combinados (chegando a vir 2 dias seguidos para compensar!) ou não vinha. Sugeriram-me que telefonasse sempre que ela faltasse. Eu perguntei-lhes quanto é que me iriam pagar. Espanto do outro lado do telefone. Perguntei de outro modo. "A senhora tem um ordenado, não tem? Então não acha que eu também mereço por estar a fazer o trabalho do vosso supervisor?". Compreendeu. A meu pedido fez as contas aos dias a descontar:

    Valor mensal / 30 x dias faltosos. (vinham 2 vezes por semana)

    Eu expliquei-lhe que estava a fazer as contas mal feitas. Deveriam ser:

    Valor mensal / 8 x dias faltosos.

    Novo espanto... "Mas nunca fiz assim!"
    Ao que eu lhe retorqui (nesta fase já estava a perder a paciência - e Deus sabe que tenho muita...) "E o que é que eu tenho a ver com isso?"
    Inspirei, contei até dez, e na minha voz menos condescendente possível sugeri o inverso:
    Passaria a pagar o valor mensal de acordo com as contas do valor diário que ela me queria descontar:

    valor mensal / 30 x 8

    Foi falar com o gerente e voltou-me a ligar com a resposta positiva.

    Claro que o importante a reter aqui é o tal "mas nunca ninguém se queixou até agora!"

    Enfim! O país que temos!

    ResponderEliminar
  6. NunO: Quanto ao assunto das escolas , discordo...e teria muito para lhe dizer!

    ResponderEliminar
  7. Nuno: eu nem por isso (tinha que ir dormir):D

    Mas de que tipo de escola falamos privada, publica , ou assim assim?!

    ResponderEliminar
  8. Calculei pois a hora já ia adiantada!

    Estavamos a comentar as creches e eu generalizei, mas referia-me a privadas.

    ResponderEliminar
  9. Que é que isso interessa? Desenvolva a sua ideia no que toca à forma como as escolas se relacionam com os clientes. O desprezo dos funcionários pela forma como falam com os clientes. O desprezo pelo dona da escola que lhes paga o ordenado. Etc..

    ResponderEliminar
  10. Antes de mais quero corrigir uma pormenor Creche é a designação de equipamentos que acolhem crianças dos 4 meses aos 3 anos e normalmente são todas privadas!
    Dos 3 aos 6 anos são designados por Pré-escolar, equipamentos com varias valências conjuntas designam-se por infantário ….:D
    Distinguir entre privados e públicos faz toda a diferença se abordarmos o tema das mensalidades e seus procedimentos, o que não invalida a sua importância na gestão das mesmas.
    É inconcebível o mau funcionamento das escolas públicas (falo de pré-escolar), são gestões à distância, da responsabilidade da autarquia que se reflectem, precisamente no mau relacionamento com o cliente, originando descontentamento e conflito. (típico funcionamento publico, as verbas são mal canalizadas, verifica-se falta de recursos humanos com formação adequada)
    No que respeita a escolas (pré escolar) semi-privadas (ipss, misericórdias e afins) a gestão é melhor, na minha opinião, diria que são as escolas com uma gestão mais competente, devido a exigências rigorosas das instituições que as regulamentam e fiscalizam, dando origem a um rigor do funcionamento em geral, consequentemente no que respeita a recursos humanos. Nestas situações, e falo de realidades que conheço, é impossível ignorar uma reclamação ou sugestão. Para além disso, as mensalidades são pagas consoante o os vencimentos, ou seja existe a possibilidade de todos acederem a uma escola sem descriminação e de forma justa!
    São realizadas formações contínuas, a admissão de recursos humanos é feita respeitando o “rácio” estipulado por lei. Existem parcerias que possibilitam uma maior acessibilidade de serviços como por exemplo actividades pedagógicas (autarquia), psicólogos , nutricionistas (saúde). Etc.
    Quanto a escolas privadas, essas, são raras, as que funcionam bem! Na perfeição!
    Há formas obscuras de contornar exigências normativas, são camufladas situações de risco com o objectivo de não denegrir o bom nome do colégio x ou y …..
    No que respeita ao desprezo de colaboradores, acredito que devido a salários baixos, falta de formação , entre outro aspectos estejam na génese deste descontentamento. Ao fazer esta ultima afirmação, parto do princípio que, por mais alta que seja a mensalidade que se pague num colégio acredito, alias, tenho a certeza que esta seja suficiente para fazer face a todas as necessidades exigidas, daí algumas não se verificarem!
    Para terminar e já me alonguei demasiado, há que referir dois pontos fulcrais neste tema;

    1ª Felizmente, ainda há quem trabalhe contente e como digo muitas vezes “vestem a camisola e assumem o espírito do bem servir”, contudo a formação académica não é o mais importante, jamais.
    2ºTentem dialogar....sempre !

    ResponderEliminar